Pular para o conteúdo principal

O que a Bíblia diz sobre aborto?


aborto pecado

O tema aborto sempre foi uma questão polêmica, gerando debates acalorados entre diversos grupos e dividindo opiniões dentro e fora da igreja. Mas o que será que a Bíblia diz sobre o assunto?

Bem, a Bíblia não fala especificamente sobre o tipo de aborto ao qual estamos acostumados a ouvir falar, no qual uma mulher decide interromper a vida de seu bebê por um motivo qualquer. No entanto, ela fala sobre as consequências de se ferir um feto de maneira letal, veja:

"Se alguns homens brigarem, e um ferir uma mulher grávida, e for causa de que aborte, não resultando, porém, outro dano, este certamente será multado, conforme o que lhe impuser o marido da mulher, e pagará segundo o arbítrio dos juízes; mas se resultar dano, então darás vida por vida, olho por olho, dente por dente, mão por mão, pé por pé, queimadura por queimadura, ferida por ferida, golpe por golpe" (Almeida Revisada Imprensa Bíblica; Êxodo 21,22-25).

Este texto não deixa claro se o ferimento letal causado ao feto foi do tipo intencional ou acidental, mas podemos concluir que tenha sido do tipo intencional, pois vemos que o homem deveria receber a pena de morte caso acabasse matando a mulher, sendo que as passagens de Números 35,9-34 e Deuteronômio 19,1-13 esclarecem que a pessoa que mata alguém sem querer não deve receber a pena de morte.

De qualquer forma, essa passagem nos dá a entender que a vida da mãe vale mais do que a vida de um feto, pois podemos ver que se o homem acabasse matando apenas o bebê, ele só teria que pagar uma indenização, mas se ele acabasse matando a mulher, ele teria que receber a pena de morte.

Essa diferenciação de penas também nos leva a concluir que a prática do aborto não pode ser considerada tão grave quanto a prática de matar alguém já nascido. Porém, não é sensato usarmos essa passagem para afirmar que Deus considera como um pecado leve qualquer espécie de aborto intencional, pois é possível que Deus considere como mais grave o caso de aborto planejado, podendo até mesmo considerar esse tipo de aborto como um descumprimento do mandamento de não matar.

Alguns alegam que não há problema em praticar o aborto nas primeiras semanas de gravidez, porque o feto ainda não está formado. No entanto, embora o feto ainda não esteja formado, ele já está em processo de formação durante esse período. Não há como sabermos se Deus permite ou não um aborto logo no início da gestação ou até que estágio da gestação ele permitiria esse aborto.

Legalização do aborto

Existem muitos grupos a favor da legalização do aborto. Esses grupos alegam que a legalização evitaria muitas mortes, já que as mulheres poderiam procurar centros especializados para abortar em vez de ir a clínicas clandestinas. Mas o que esses grupos deveriam considerar é que ao mesmo tempo em que a legalização diminuiria o número de mortes de mulheres, ela aumentaria muito o número de mortes de bebês. Afinal, se o número de abortos já é grande hoje, imagine após a legalização.

É lógico que esses grupos não veem nada de mal na prática do aborto, mas pelo ponto de vista bíblico, o ideal seria que essas mulheres mudassem de ideia e desistissem de abortar, evitando assim interromper a vida de seus próprios bebês e por em risco a própria vida. Ou seja, a legalização não é a melhor solução. A solução ideal é a conscientização dessas mulheres para que elas aceitem essa visão bíblica sobre o aborto.

Os motivos para a prática do aborto

Existem vários motivos pelos quais uma mulher decide praticar um aborto. No entanto, alguns motivos dividem opiniões, e é sobre eles que vou falar a seguir.

Aborto em caso de deficiência do bebê

Hoje, graças ao avanço da tecnologia, os casais conseguem saber com bastante antecedência se seus bebês terão alguma deficiência, com uma porcentagem baixa de erro. Por outro lado, esse avanço tecnológico fez o número de abortos aumentar, pois muitos casais decidem interromper a gravidez após descobrirem que seus filhos nascerão deficientes.

Esse é um dos tipos de aborto que mais geram revolta, porque os pais geralmente decidem interromper a vida do bebê porque não querem ter um filho deficiente e também por causa das dificuldades que teriam que enfrentar. Alguns pais podem até alegar que na verdade estão fazendo o bem, pois estão evitando que o bebê venha para este mundo de sofrimento e sofra ainda mais por causa de sua deficiência. Entretanto, esses pais precisam entender que foi Deus quem determinou que eles teriam que passar pela dificuldade de ter um filho deficiente. Se eles tentarem fugir dessa determinação praticando o aborto, Deus pode muito bem determinar uma outra dificuldade para eles passarem. Não adianta tentar fugir da vontade de Deus.

Aborto em caso de risco de morte da mãe

Nesse tipo de aborto os pais decidem interromper a vida do bebê para que a mãe não corra o risco de morrer. É uma decisão delicada, mas compreensível, uma vez que o sofrimento causado pela morte do bebê geralmente é muito menor que o sofrimento gerado pela morte da mãe. Por outro lado, sempre há uma chance de a mãe e o bebê sobreviverem. Ou seja, os pais que praticam esse tipo de aborto têm que encarar a possibilidade de estarem interrompendo a vida de seu bebê sem necessidade.

Antigamente, as pessoas não costumavam praticar esse tipo de aborto, já que os médicos não tinham tecnologia para diagnosticar os riscos que os fetos podiam causar às mães. Mas podemos nos perguntar: será que os santos casais da Bíblia praticariam esse tipo de aborto? Será que Deus considera essa prática como um pecado ou algo tolerável devido ao sofrimento que a possível morte da mãe traria a todos os familiares?

Não podemos simplesmente aplicar nesse caso o mandamento "não matarás", pois a decisão de não matar o bebê pode matar a mãe, ou até mesmo a mãe e o bebê. Não seria melhor salvar pelo menos uma vida? Os judeus ortodoxos, que conhecem muito bem a lei de Deus, ensinam que não é pecado praticar esse tipo de aborto, pois nesse caso deve-se dar preferência à vida da mãe.

Alguns podem querer simplificar dizendo que nesse caso devemos deixar nas mãos de Deus e esperar que aconteça o que ele determinar. Isso faz sentido e é totalmente aceitável, pois era assim que funcionava antigamente. Os pais só sabiam o que iria acontecer após o nascimento. Mas hoje a situação é um pouco diferente. Coloque-se no lugar de um pai que acabou de receber a seguinte notícia de um médico: se nós não fizermos o aborto, sua esposa tem 99% de chance de morrer durante o parto. O que você faria?

Você pode até insistir na ideia de deixar nas mãos de Deus. Mas e os outros familiares de sua esposa? Eles aceitam, assim como você, deixá-la correndo um risco enorme de morrer? Se eles não aceitam, você não estaria sendo egoísta? E sua esposa, ela quer correr esse risco? De qualquer modo, não há pecado nenhum se todos os familiares, incluindo a própria mãe que está correndo risco de vida, quiserem deixar nas mãos de Deus.

O fato é que não há como termos certeza se Deus condena ou não esse tipo de aborto.

Aborto em caso de estupro

Esse é um outro tipo delicado de aborto. Uma mulher que é estuprada geralmente não quer ter um filho de um monstro estuprador. Se ela acabar tendo esse filho, as pessoas sempre vão querer saber quem é o pai, e o filho mais cedo ou mais tarde também vai querer saber sobre o pai. Essas situações trarão a essa mulher constrangimento e também a terrível lembrança do episódio. Mesmo assim, não há como termos certeza se Deus permite ou não o aborto nesse caso. Por isso, é melhor que a mulher evite esse tipo de aborto.

Conclusão

Praticar aborto é pecado, mas não um pecado tão grave quanto matar alguém já nascido. Por outro lado, a Bíblia não fala sobre o que fazer nos casos delicados que vimos. De qualquer forma, o ideal é que a mulher não interrompa a vida de seu bebê, mas só Deus poderá julgar, condenar ou absolver as mulheres que abortaram.

Se você estiver pensando em fazer um aborto, pense que você está querendo interromper a vida de seu próprio filho, alguém que você muito provavelmente vai adorar receber nos braços e que você vai amar muito. Você aceitaria mandar tirar a vida de seu filho logo após ele nascer? Caso a sua resposta seja não, então por que você está querendo interromper a vida dele antes de ele nascer? Ele está aí na sua barriga, ele precisa de cuidado e amor. Não faça mal a ele. Deus certamente vai lhe recompensar por sua decisão de salvar a vida de seu filho.

E você? Já conhecia essa abordagem bíblica sobre o aborto? Deixe seu comentário abaixo. Terei prazer em respondê-lo.

Quer aprender mais sobre a Bíblia? Inscreva-se e receba os novos artigos diretamente no seu e-mail! Você precisará clicar no link que será enviado para seu e-mail para ativar sua inscrição.

Comentários

  1. Olá Bruno! Gosto de meditar nos seus estudos. Tenho uma grande duvida sobre o "Calvinismo", estou estudando sobre este assunto porém há controvérsias na bíblia, agradeço muito se postar um estudo sobre o assunto!;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Naty, que bom que você gosta dos meus estudos, obrigado. Então, por enquanto eu ainda não tenho interesse em escrever um estudo sobre calvinismo, mas você pode me dizer quais são suas dúvidas sobre esse assunto e tentarei lhe responder.

      Eu vou ter que excluir esse seu comentário porque ele não tem relação com este artigo de aborto. Por gentileza, envie suas dúvidas através do campo "entre em contato" no menu do blog. Abraço!

      Excluir

Postar um comentário



Os autores dos comentários são os responsáveis por suas opiniões, e elas não representam necessariamente a opinião deste blog. Não serão publicados comentários que:

- contenham trechos copiados de outros sites.
- não tenham relação com o artigo.
- sejam incompreensíveis.
- contenham palavrões, xingamentos ou blasfêmias contra Deus.

Se quiser fazer uma pergunta ou comentário sobre outro assunto, acesse o menu no topo da página.

Artigos mais lidos deste blog

Deus castiga?

Um grande engano de muitas pessoas é achar que Deus não castiga ninguém. Essas pessoas alegam que Deus não castiga porque ele é amor, e que na verdade tudo de ruim que acontece com as pessoas são consequências lógicas de suas más ações.
Elas explicam que muitas pessoas adquirem câncer porque fumam muito, outras adquirem várias doenças porque se alimentam mal, outras sofrem acidentes porque se arriscam desnecessariamente, ou seja, não é Deus que está castigando essas pessoas, mas elas mesmas cometem maus atos que causam essas coisas ruins a elas.
É verdade que muitas coisas ruins que acontecem com as pessoas são consequências lógicas de suas más ações, mas, de qualquer maneira, Deus permite que essas pessoas sofram essas consequências, e só essa permissão já pode ser considerada um castigo dele, pois ele poderia livrá-las dessas consequências.
Além disso, muitas coisas ruins que acontecem com as pessoas não são consequências lógicas de suas más ações. Por exemplo: uma pessoa está andando…

É pecado comer carne de porco?

A Bíblia diz que é pecado comer carne de porco. Aliás, não só porco, mas também camarão, lagosta, lula, ostra e qualquer um dos outros seres vivos citados na passagens bíblicas de Levítico 11 e Deuteronômio 14 como seres que não devemos comer. Veja um dos trechos que nos proíbem de comer carne de porco:
"Tereis com impuro o porco porque, apesar de ter o casco fendido, partido e duas unhas, não rumina. Não comereis da carne deles nem tocareis o seu cadáver, e vós os tereis como impuros" (Levítico 11,7-8; Bíblia de Jerusalém. A mesma proibição encontra-se também em Deuteronômio 14,8). 
Além de a Bíblia proibir o consumo da carne de porco na passagem que acabei de citar, a seguinte passagem também deixa claro que Deus detesta que as pessoas comam carne de porco:
"Estendi as minhas mãos o dia todo a um povo rebelde, que anda por caminho, que não é bom, após os seus pensamentos; povo que de contínuo me irrita diante da minha face, sacrificando em jardins e queimando incenso sob…

A Lei do Velho Testamento foi abolida?

Muitas pessoas alegam que não precisamos cumprir mais nada da Lei de Moisés, e que só devemos cumprir o que está no Novo Testamento, porque, segundo elas, Jesus aboliu a Lei de Moisés. No entanto, eu vou mostrar neste artigo que não é bem isso o que a Bíblia diz.
Essas pessoas se apoiam principalmente nas seguintes passagens escritas pelo apóstolo Paulo:
"Portanto, lembrai-vos de que vós noutro tempo éreis gentios na carne, e chamados incircuncisão pelos que na carne se chamam circuncisão feita pela mão dos homens; que naquele tempo estáveis sem Cristo, separados da comunidade de Israel, e estranhos às alianças da promessa, não tendo esperança, e sem Deus no mundo. Mas agora em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe, já pelo sangue de Cristo chegastes perto. Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um; e, derrubando a parede de separação que estava no meio, na sua carne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos, que consistia em ordenanças, para criar e…