Pular para o conteúdo principal

Por que Deus permite o sofrimento?



Há vários motivos que justificam o fato de Deus permitir o nosso sofrimento:

- Às vezes sofremos para que outras pessoas tenham a oportunidade de praticar a caridade com a gente. Como é que poderíamos praticar a caridade se ninguém sofresse? Tragédias, pobreza, fome e muitos outros sofrimentos são oportunidades para outras pessoas praticarem o amor, a misericórdia e a bondade.

- Às vezes sofremos porque nós merecemos sofrer. Ou seja, muitos de nossos sofrimentos são castigos de Deus devido a pecados que cometemos (Jeremias 11:22; 21:14; Gênesis 6:11-17; 19:24-25; Hebreus 10:26-31; Apocalipse 2:18-23; Deuteronômio 28:15-68). 

- Às vezes Deus põe à prova nossa fé e nosso amor por ele, assim como fez com Jó (Jó 1-2), para que fique provado que nós continuamos amando-o e tendo fé nele mesmo passando por um sofrimento que não merecemos, ou para que fique provado que nós só o “amamos e temos fé nele” quando as coisas estão indo bem em nossa vida.

- Às vezes somos usados por Deus para que outras pessoas sofram também como castigo ao nos verem numa situação ruim. Por exemplo: Deus matou o bebê que nasceu do adultério de Davi para que Davi sofresse isso como uma forma de castigo (2 Samuel 12:13-18).

- Às vezes somos usados por Deus para que a fé de outras pessoas seja testada no momento em que elas nos virem numa situação ruim. Por exemplo: Deus permitiu que os dez filhos de Jó morressem em um único dia para que a fé dele fosse posta à prova (Jó 1-2).

- Às vezes somos usados para que se manifeste em nós um milagre de Deus, assim como aconteceu no caso de um homem que nasceu cego só para que um dia ele fosse curado por Jesus, permitindo assim que a crença em Jesus aumentasse e Deus fosse glorificado (João 9:1-7).

É importante ressaltar que Deus vai recompensar todos os que passam por sofrimentos que não merecem, e isso será feito enquanto eles ainda estiverem em vida ou após a morte deles. O justo Jó que foi posto à prova foi recompensado em dobro ainda em vida (Jó 42:10-17), e ele certamente reencontrou seus filhos no paraíso após a morte. O pobre Lázaro da parábola de Jesus sofreu muito aqui na Terra, assim como muitos sofrem e já sofreram, mas quando morreu, foi levado pelos anjos ao paraíso (Lucas 16:19-31).

Finalmente, não podemos nos esquecer de que um dia Deus vai acabar com o sofrimento de uma vez por todas, como você pode ver em Apocalipse 21:1-4.

Comentários

  1. Bruno,eu gostaria de saber sua opinião,vc acha que se Jó tivesse falado contra Deus porque ele o provou ,seria justo Jó ser condenado ao inferno levando em consideração que ele era um homem íntegro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não sei se Deus faria isso com Jó, mas se ele fizesse eu seria obrigado a achar justo, pois Deus nunca comete injustiça.

      Excluir
  2. Depois de Cristo ser crucificado por nossos pecados ainda assim Deus nos castiga por bel prazer?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Bento, nenhuma passagem da Bíblia diz que Deus castiga por prazer. Pelo contrário, a Bíblia deixa claro que Deus não sente prazer nem mesmo com a morte dos injustos, leia Ezequiel 33,11. Porém, como justo juiz que Deus é, ele não deixará ninguém impune. Portanto, mesmo após o sacrifício de Cristo, Deus continua castigando os pecadores que não se arrependem, como mostrei nas passagens do Novo Testamento que citei no presente artigo.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O grave pecado do sexo no período menstrual

Fazer sexo durante o período menstrual é um pecado grave. Deus instituiu uma lei proibindo essa prática, veja:
"Não se aproxime de uma mulher para se envolver sexualmente com ela quando ela estiver na impureza da sua menstruação" 
(Levítico 18:19; Nova Versão Internacional).
Deus chegou até a determinar a pena de morte para os casais que fizessem sexo durante a menstruação, veja:
"Se um homem dormir com uma mulher durante a menstruação, e tiver relações sexuais, descobrindo a fonte do sangue, os dois serão eliminados do seu povo"
(Levítico 20:18; Edição Pastoral).
Embora a pena de morte por esse pecado não seja mais aplicada da forma como era aplicada nos tempos bíblicos, Deus ainda pode aplicá-la hoje em dia por meio de doenças ou outras tragédias. Portanto, nós devemos tomar muito cuidado para não cometermos esse pecado grave.

Mesmo assim, muitos casais cristãos não veem problema algum em ter relações sexuais durante o período menstrual, inclusive vários médicos a…

Os mandamentos que devemos cumprir segundo a Bíblia

Ame a Deus com todo o seu coração, e com toda a sua alma, e com todo o seu entendimento, e com todas as suas forças (Deuteronômio 6:5; Marcos 12:28-30).Não tenha outros deuses (Êxodo 20:3; 1 João 5:21).Não faça para você alguma imagem esculpida que represente um deus. Não se prostre diante dessas imagens e nem diante do Sol, da Lua e das estrelas, e não os sirva (Êxodo 20:4-5; Deuteronômio 4:19; 1 João 5:21).Não use o nome de Deus em vão, isto é, não use o nome de Deus para fazer um falso juramento ou para mentir, pois Deus não considerará inocente aquele que usar seu nome em vão. É importante notar que o nome de Deus não é "Deus", mas sim Javé. No entanto, mesmo que você faça um falso juramento sem usar especificamente o nome de Javé, dizendo, por exemplo, "Juro por Deus que vou fazer isso" ou "Juro por Deus que isso aconteceu", e você estiver mentindo, você ainda assim seria culpado, pois você estaria se referindo a Javé. De qualquer forma, Jesus nos ac…

Deus castiga sim

Muitas pessoas acham que Deus não castiga ninguém porque ele é amor, e que tudo de ruim que acontece com as pessoas são consequências lógicas de suas más ações.
Elas explicam que muitas pessoas adquirem câncer porque fumam muito, outras adquirem várias doenças porque se alimentam mal, outras sofrem acidentes porque se arriscam desnecessariamente, ou seja, não é Deus que está castigando essas pessoas, mas elas mesmas cometem maus atos que causam essas coisas ruins a elas.
No entanto, o que essas pessoas não consideram é que o fato de Deus permitir que as pessoas sofram as consequências de suas más ações já pode ser considerado um castigo dele, pois ele poderia livrá-las dessas consequências.
Além disso, muitas coisas ruins que acontecem com as pessoas não são consequências lógicas de suas más ações. Por exemplo: uma pessoa está andando na calçada cuidadosamente quando de repente um carro desgovernado a atropela; uma pessoa está dirigindo atentamente um carro quando de repente uma árvo…