Pular para o conteúdo principal

O dia em que o espírito do profeta Samuel apareceu para o rei Saul



A passagem bíblica de 1 Samuel 28,3-25 apresenta uma história intrigante. Trata-se do espírito do profeta Samuel aparecendo ao rei Saul numa sessão de necromancia. Os detalhes dessa história você pode conferir lendo a passagem. Aqui, eu vou focar na questão sobre quem realmente apareceu para Saul.

As pessoas que acreditam na mortalidade da alma, ou seja, que a alma não continua a viver logo após a morte, concluem imediatamente que foi um demônio que apareceu para Saul. Elas argumentam que não é possível invocar os mortos, porque eles estão inconscientes, estão dormindo, esperando o dia da ressurreição, e que portanto, quando se invoca um morto, é um demônio que aparece e se passa pela pessoa falecida. Porém, como você pode ver no artigo "O que acontece após a morte?", a alma continua sim a viver logo após a morte.

O fato é que quem apareceu para Saul não foi um demônio, mas sim o espírito do profeta falecido Samuel. Podemos ter certeza disso pelas seguintes razões:

- A própria palavra de Deus diz claramente no versículo 20 que Saul ficou muito abalado pelas "palavras de Samuel". Ou seja, o próprio texto revela que as palavras ditas eram de Samuel e não de um demônio. Aliás, o espírito foi chamado mais de uma vez de Samuel, e em nenhum momento do relato é dito que o espírito que falava era de um demônio.

- O rei Saul certamente conhecia muito bem a lei de Deus. Afinal, ele era um rei de Israel, um ungido de Deus. Se não fosse possível invocar os mortos, ele saberia muito bem disso e não iria perder tempo consultando uma necromante para tentar invocar o profeta Samuel, pois ele saberia que na verdade quem iria falar com ele não seria Samuel, mas talvez um demônio enganador. Portanto, o fato de ele ter consultado uma necromante para conseguir falar com o profeta Samuel indica que é possível sim invocar os mortos.

- O fato de em Deuteronômio 18,9-12 Deus proibir seu povo de invocar os mortos também indica que é possível sim invocar pessoas que já morreram. Afinal, seria estranho Deus proibir seu povo de fazer algo impossível.

- Até mesmo o livro de Eclesiástico, que é um livro deuterocanônico, mas considerado inspirado pela Igreja Católica, confirma que foi Samuel quem apareceu para Saul, e não um demônio, veja:

"Samuel foi amado pelo seu Senhor [...] Até depois de morrer profetizou, anunciou ao rei seu fim; do seio da terra elevou a voz, profetizando para apagar a iniquidade do povo" (Bíblia de Jerusalém; Eclesiástico 46,13.20).

Para quem rejeita totalmente a inspiração do livro de Eclesiástico, é importante notar que a Bíblia de Jerusalém, uma das bíblias de estudo mais respeitadas no mundo, afirma que alguns rabinos, até o século IV, citaram o livro de Eclesiástico, e que o Talmude conserva o seu testemunho (ver página de introdução ao livro de Eclesiástico).

- Ao ler o relato, vemos que as palavras do espírito que falava com Saul eram dignas de um profeta de Deus, eram palavras repletas de sabedoria e de reconhecimento do temor que se deve a Deus, e o principal: eram palavras verdadeiras, pois se cumpriram, conforme vemos em 1 Samuel 31. Se fosse um demônio se passando por profeta, era de se esperar que palavras mentirosas contra Deus fossem ditas, e que a profecia não se cumprisse. No entanto, algumas pessoas têm a audácia de dizer que a profecia do espírito de Samuel não se cumpriu. Elas alegam que Saul e os filhos não morreram no dia seguinte, como profetizou o espírito, mas sim vários dias depois. O que acontece é que as passagens estão fora de ordem. Segundo uma nota de rodapé da Bíblia de Jerusalém, a continuação de 1 Samuel 28,3-25 é exatamente 1 Samuel 31, que narra a morte de Saul e seus filhos. Outra nota de rodapé da Bíblia de Jerusalém explica que os capítulos 29 e 30 são continuação imediata de 1 Samuel 28,2. Portanto, Saul e os filhos realmente morreram no dia seguinte. Outros ainda alegam que nem todos os filhos de Saul morreram com ele, conforme o espírito havia predito. Ora, o espírito não disse que todos os filhos iriam morrer, mas apenas que os filhos de Saul iriam morrer com ele, sem especificar se seriam apenas alguns ou todos. Portanto, a profecia se cumpriu com perfeição.

Os que insistem em dizer que o espírito que apareceu a Saul era de um demônio, precisam urgentemente rever essa convicção, pois ela pode ser considerada uma blasfêmia contra o Espírito Santo, um pecado imperdoável, já que o espírito que apareceu a Saul era na verdade o do profeta Samuel, e os profetas sempre profetizavam através do Espírito Santo de Deus. O mesmo pecado foi cometido por certos judeus que disseram que Jesus expulsava os demônios através de Belzebu, sendo que na verdade ele os expulsava através do Espírito Santo (Mateus 12,22-29; Marcos 3,22-27; Lucas 11,14-22).

É importante ressaltar que acreditar em vida após a morte não é de maneira nenhuma estar de acordo com a doutrina espírita, mas é apenas ter uma visão semelhante (mas não igual) aos espíritas sobre vida após a morte. De qualquer forma, o pecado da doutrina espírita não é acreditar que as pessoas continuam vivendo como espíritos após a morte, mas sim acreditar que Deus não vê problema algum na comunicação com espíritos em geral. Nisso eles estão muito enganados, pois Deus condena severamente o contato com pessoas mortas ou outros espíritos, conforme Deuteronômio 18,9-12.

Comentários

  1. Quem se mata vai pra onde? Se Saul foi para onde o suposto Samuel tava, onde estava esse Samuel ja que sabemos para onde vão os suicidas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ariam, você pode encontrar as respostas das suas perguntas pesquisando a palavra "suicídio" e depois a palavra "morte" aqui no blog.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O grave pecado do sexo no período menstrual

Fazer sexo durante o período menstrual é um pecado grave. Deus instituiu uma lei proibindo essa prática, veja:
"Não se aproxime de uma mulher para se envolver sexualmente com ela quando ela estiver na impureza da sua menstruação" 
(Levítico 18:19; Nova Versão Internacional).
Deus chegou até a determinar a pena de morte para os casais que fizessem sexo durante a menstruação, veja:
"Se um homem dormir com uma mulher durante a menstruação, e tiver relações sexuais, descobrindo a fonte do sangue, os dois serão eliminados do seu povo"
(Levítico 20:18; Edição Pastoral).
Embora a pena de morte por esse pecado não seja mais aplicada da forma como era aplicada nos tempos bíblicos, Deus ainda pode aplicá-la hoje em dia por meio de doenças ou outras tragédias. Portanto, nós devemos tomar muito cuidado para não cometermos esse pecado grave.

Mesmo assim, muitos casais cristãos não veem problema algum em ter relações sexuais durante o período menstrual, inclusive vários médicos a…

Os mandamentos que devemos cumprir segundo a Bíblia

Ame a Deus com todo o seu coração, e com toda a sua alma, e com todo o seu entendimento, e com todas as suas forças (Deuteronômio 6:5; Marcos 12:28-30).Não tenha outros deuses (Êxodo 20:3; 1 João 5:21).Não faça para você alguma imagem esculpida que represente um deus. Não se prostre diante dessas imagens e nem diante do Sol, da Lua e das estrelas, e não os sirva (Êxodo 20:4-5; Deuteronômio 4:19; 1 João 5:21).Não use o nome de Deus em vão, isto é, não use o nome de Deus para fazer um falso juramento ou para mentir, pois Deus não considerará inocente aquele que usar seu nome em vão. É importante notar que o nome de Deus não é "Deus", mas sim Javé. No entanto, mesmo que você faça um falso juramento sem usar especificamente o nome de Javé, dizendo, por exemplo, "Juro por Deus que vou fazer isso" ou "Juro por Deus que isso aconteceu", e você estiver mentindo, você ainda assim seria culpado, pois você estaria se referindo a Javé. De qualquer forma, Jesus nos ac…

Deus castiga sim

Muitas pessoas acham que Deus não castiga ninguém porque ele é amor, e que tudo de ruim que acontece com as pessoas são consequências lógicas de suas más ações.
Elas explicam que muitas pessoas adquirem câncer porque fumam muito, outras adquirem várias doenças porque se alimentam mal, outras sofrem acidentes porque se arriscam desnecessariamente, ou seja, não é Deus que está castigando essas pessoas, mas elas mesmas cometem maus atos que causam essas coisas ruins a elas.
No entanto, o que essas pessoas não consideram é que o fato de Deus permitir que as pessoas sofram as consequências de suas más ações já pode ser considerado um castigo dele, pois ele poderia livrá-las dessas consequências.
Além disso, muitas coisas ruins que acontecem com as pessoas não são consequências lógicas de suas más ações. Por exemplo: uma pessoa está andando na calçada cuidadosamente quando de repente um carro desgovernado a atropela; uma pessoa está dirigindo atentamente um carro quando de repente uma árvo…