Pular para o conteúdo principal

Deus não é uma trindade



Não, Deus não é uma trindade. Aliás, a palavra trindade nem aparece na Bíblia. A doutrina da trindade começou a ser desenvolvida a partir do século II por alguns grupos cristãos, e acabou se tornando uma doutrina predominante e fundamental no cristianismo.

A doutrina da trindade consiste basicamente no seguinte: há um só Deus, que é revelado em três pessoas distintas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Sendo que cada uma dessas pessoas é Deus. E mesmo assim há um só Deus. Existem algumas variações nessa definição, mas a doutrina é basicamente essa.

Trata-se de uma doutrina extremamente contraditória e confusa.  Até mesmo muitos de seus defensores reconhecem que ela é difícil, que é algo além da compreensão humana, um mistério.

No entanto, a Bíblia é clara nesse assunto, veja:

"As minhas testemunhas sois vós — oráculo de Iahweh — [...] antes de mim nenhum Deus foi formado e depois de mim não haverá nenhum"

(Bíblia de Jerusalém; Isaías 43,10).

"Assim diz Javé, o Rei de Israel, seu redentor, Javé dos exércitos: Eu sou o primeiro, eu sou o último; fora de mim não existe outro Deus. Existe alguém como eu? [...] existe outro Deus além de mim? Que eu saiba, não existe nenhuma outra rocha"

(Bíblia Pastoral; Isaías 44,6-8).

Portanto, como você acabou de ver, a Bíblia é clara em mostrar que há um só Deus, e que esse Deus é Javé, o Pai; e não o Pai, o Filho e o Espírito Santo.

Mas os defensores da trindade dizem que existem passagens na Bíblia que apoiam essa doutrina. A mais conhecida delas é a seguinte:

"Porque três são os que testificam (no céu: o Pai, a Palavra, e o Espírito Santo; e estes três são um. E três são os que testificam na terra): o Espírito, e a água e o sangue; e estes três concordam num"

(Almeida Corrigida e Fiel; 1 João 5,7-8).

A verdade é que esse trecho entre parênteses não pertence ao texto original da Bíblia. 

Bart D. Ehrman, que é Ph.D. em Teologia, e um dos maiores especialistas em estudos bíblicos, Novo Testamento, igreja primitiva, heresia, manuscritos antigos e origens do cristianismo, explica em seu best seller "Quem Jesus foi? Quem Jesus não foi?" que um escriba posterior alterou essa passagem inserindo o trecho que você viu entre parênteses com o intuito de provar a doutrina da trindade. 

Nessa mesma página, Bart ainda confirma que a doutrina da trindade é uma invenção cristã posterior, e que ela não aparece em nenhum dos livros do Novo Testamento.

Uma nota de rodapé da Bíblia de Jerusalém, uma das bíblias de estudo mais respeitadas no mundo, confirma que esse trecho entre parênteses não fazia parte dos melhores e mais antigos manuscritos bíblicos, e que provavelmente foi inserido mais tarde.

Muitas traduções da Bíblia, como a Almeida Corrigida e Fiel, e a Nova Versão Internacional, por exemplo, lamentavelmente traduziram essa passagem inserindo esse trecho, como se ele pertencesse à tradução original. A Bíblia de Jerusalém é uma das poucas edições da Bíblia que traduziram corretamente essa passagem.

Uma outra passagem muito usada pelos defensores da trindade é a seguinte:

"Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo"

(Almeida Corrigida e Fiel; Mateus 28,19).

Todos os manuscritos encontrados até hoje realmente apresentam esse texto em que Jesus dá essa ordem aos apóstolos, mas uma nota de rodapé da Bíblia de Jerusalém ressalta que essa fórmula de batismo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo deve ser o resultado da influência de comunidades cristãs posteriores, pois o livro de Atos registra que os apóstolos e os primeiros cristãos batizavam somente em nome de Jesus. 

Ou seja, é bem provável que aquelas mesmas comunidades posteriores que inventaram a doutrina da trindade tenham adulterado essa passagem, e o texto original deve se encontrar em manuscritos perdidos. Caso contrário, teremos que concluir que os apóstolos e os primeiros cristãos não seguiram a ordem de Jesus.

Há documentos que confirmam a mudança intencional da fórmula de batismo. A seguir cito um deles:

"As pessoas eram batizadas inicialmente em nome de Jesus Cristo ... ou em nome do Senhor Jesus... Depois, com o desenvolvimento da doutrina da Trindade, elas começaram a ser batizadas em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo" (Canney's Encyclopedia of Religions, 1970, página 53).

A passagem de 2 Coríntios 13,13 também fala do Pai, do Filho e do Espírito Santo no mesmo versículo, mas, de qualquer modo, nem essa passagem e nem a de Mateus 28,19 provam que Deus é uma trindade, pois nenhuma delas afirma que o Pai, o Filho e o Espírito Santo formam uma trindade, ou que cada um deles é Deus. Elas apenas citam os três no mesmo versículo.

Os defensores da trindade alegam que ela aparece também na seguinte passagem:

"E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança..."

(Almeida Corrigida e Fiel; Gênesis 1,26).

Segundo eles, essa forma de Deus falar no plural mostra que há um Deus trino falando: o Pai, o Filho e o Espírito Santo. O mesmo ocorre em Gênesis 3,22; 11,7 e também em Isaías 6,8. 

Acontece que essas passagens não provam que Deus é uma trindade. Em todas elas, Deus certamente estava falando com os anjos e com o primeiro ser que ele criou, seu filho Jesus. Afinal, as passagens de João 17,5, Colossenses 1,15-17 e Apocalipse 3,14 afirmam que Jesus já existia antes da criação do mundo, e que ele foi o primogênito da criação, o princípio da criação de Deus, ou seja, o primeiro ser que Deus criou. Além disso, tanto Jesus quanto os anjos foram feitos à semelhança de Deus. 

Os anjos sempre participaram nas ações de Deus, seja durante a criação do céu e da Terra (Jó 38,1-7), seja durante as visitas de Deus à Terra para fazer algo grandioso (Gênesis 18,1-2.22-23; 19,1) etc. A passagem de Jó 1,6 confirma que os anjos se reúnem com Deus em determinadas ocasiões. 

Portanto, em todas essas passagens a voz falando no plural era Deus Pai falando com os anjos e com o primeiro ser que ele criou, seu Filho Jesus, e não a trindade falando.

Se você pesquisar a origem da doutrina da trindade você descobrirá que várias enciclopédias e outros documentos confirmam que essa doutrina foi inventada a partir do século II, e que ela não fazia parte dos ensinamentos de Jesus e dos apóstolos. A seguir cito dois desses documentos:

"Nem a palavra Trindade, nem a doutrina explícita aparece no Novo Testamento... A doutrina desenvolveu-se gradualmente ao longo de vários séculos e através de muitas controvérsias... Até o século 4 a distinção dos três e sua unidade foram reunidas em uma única doutrina ortodoxa de uma essência e três pessoas" (The New Encyclopaedia Britannica; edição de 1985, Vol. 11, p. 928).

"O cristianismo primitivo não tinha uma doutrina explícita da Trindade, tal como foi posteriormente elaborada nos credos da Igreja" (Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento, Vol. 2, 1976: "Deus", p. 84).

É lamentável que a maioria das igrejas cristãs defendam e ensinem a doutrina da trindade, porque isso faz com quase todos os cristãos pratiquem o gravíssimo pecado da idolatria, uma vez que eles aprendem a considerar Jesus, que é um ser inferior a Deus, como sendo o próprio Deus Todo-Poderoso. 

Conforme você pode conferir no artigo "Jesus é Deus?", Jesus não é o Deus Todo-Poderoso. E no artigo "O Espírito Santo é Deus?" eu mostro que o Espírito Santo não é uma outra pessoa: ele é o próprio Deus Pai.

Comentários

  1. Estou inteiramente em desacordo com essa afirmação. Não somente eu, mas uma Instituição de 2000 anos, a Santa Igreja Católica! A Trindade é algo defendido por grandes teólogos como São Tomás de Aquino e muitos outros, querer dizer algo contrário é querer derrubar o pão de açúcar com um peteleco. Está claramente dito no Novo Testamento por Nosso Senhor Jesus Cristo, Deus e homem: "Quem vê a Mim, vê o Pai." "Eu e o Pai somos um." E muitas outras passagens! Quem não acredita na divindade de Jesus é anátema, está excomungado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Anna, a Igreja Católica e seus teólogos estão todos errados na questão da trindade, conforme já provei. A Igreja primitiva de Jesus nunca ensinou a doutrina da trindade. Os católicos a inventaram mais tarde. A Bíblia é clara: "Há um só Deus, o Pai" (1 Coríntios 8,6). Quem acredita na trindade, como você, é idólatra, pois considera Jesus, que é um ser inferior a Deus, como o próprio Deus Todo-Poderoso. Jesus não é o Deus Todo-Poderoso, e isso eu provo no link abaixo:

      https://www.ensinamentosdabiblia.com/2013/03/jesus-e-deus.html

      Excluir
    2. Eu tenho esse livro,quem jesus foi?que jesus não foi?muito bom!!

      Excluir
  2. Muito bom! Parabéns pelo artigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Pabblo. Que Deus abençoe você e sua família.

      Excluir
  3. Eu queria saber e sobre a onipresença de Deus pode me mostrar alguns versículos sobre isso? vc acha que eles inventaram essas tres qualidades do criador só pela trindade ou elas existem? Obrigada por sua atenção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sobre a onipresença de Deus você pode ler Salmos 139,7-10 e Jeremias 23,24. As palavras onipresente, onisciente e onipotente foram inventadas e não se encontram na Bíblia, mas Deus realmente possui essas três qualidades, e elas podem ser encontradas em diversas passagens bíblicas.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O grave pecado do sexo no período menstrual

Fazer sexo durante o período menstrual é um pecado grave. Deus instituiu uma lei proibindo essa prática, veja:
"Não se aproxime de uma mulher para se envolver sexualmente com ela quando ela estiver na impureza da sua menstruação" 
(Levítico 18:19; Nova Versão Internacional).
Deus chegou até a determinar a pena de morte para os casais que fizessem sexo durante a menstruação, veja:
"Se um homem dormir com uma mulher durante a menstruação, e tiver relações sexuais, descobrindo a fonte do sangue, os dois serão eliminados do seu povo"
(Levítico 20:18; Edição Pastoral).
Embora a pena de morte por esse pecado não seja mais aplicada da forma como era aplicada nos tempos bíblicos, Deus ainda pode aplicá-la hoje em dia por meio de doenças ou outras tragédias. Portanto, nós devemos tomar muito cuidado para não cometermos esse pecado grave.

Mesmo assim, muitos casais cristãos não veem problema algum em ter relações sexuais durante o período menstrual, inclusive vários médicos a…

Os mandamentos que devemos cumprir segundo a Bíblia

Ame a Deus com todo o seu coração, e com toda a sua alma, e com todo o seu entendimento, e com todas as suas forças (Deuteronômio 6:5; Marcos 12:28-30).Não tenha outros deuses (Êxodo 20:3; 1 João 5:21).Não faça para você alguma imagem esculpida que represente um deus. Não se prostre diante dessas imagens e nem diante do Sol, da Lua e das estrelas, e não os sirva (Êxodo 20:4-5; Deuteronômio 4:19; 1 João 5:21).Não use o nome de Deus em vão, isto é, não use o nome de Deus para fazer um falso juramento ou para mentir, pois Deus não considerará inocente aquele que usar seu nome em vão. É importante notar que o nome de Deus não é "Deus", mas sim Javé. No entanto, mesmo que você faça um falso juramento sem usar especificamente o nome de Javé, dizendo, por exemplo, "Juro por Deus que vou fazer isso" ou "Juro por Deus que isso aconteceu", e você estiver mentindo, você ainda assim seria culpado, pois você estaria se referindo a Javé. De qualquer forma, Jesus nos ac…

Deus castiga sim

Muitas pessoas acham que Deus não castiga ninguém porque ele é amor, e que tudo de ruim que acontece com as pessoas são consequências lógicas de suas más ações.
Elas explicam que muitas pessoas adquirem câncer porque fumam muito, outras adquirem várias doenças porque se alimentam mal, outras sofrem acidentes porque se arriscam desnecessariamente, ou seja, não é Deus que está castigando essas pessoas, mas elas mesmas cometem maus atos que causam essas coisas ruins a elas.
No entanto, o que essas pessoas não consideram é que o fato de Deus permitir que as pessoas sofram as consequências de suas más ações já pode ser considerado um castigo dele, pois ele poderia livrá-las dessas consequências.
Além disso, muitas coisas ruins que acontecem com as pessoas não são consequências lógicas de suas más ações. Por exemplo: uma pessoa está andando na calçada cuidadosamente quando de repente um carro desgovernado a atropela; uma pessoa está dirigindo atentamente um carro quando de repente uma árvo…